logo RCN
Imagem principal

Coluna Etc e Tal - Por Cláudia B.S. Stanchak

BEM VINDA, TÁBATA!

"Isso não é planejamento, mas uma lista de desejos." Com estas poucas e certeiras palavras a jovem Tábata Amaral, 25 anos, surpreendeu e desconcertou o então ministro Ricardo Vélez quando ele tentava apresentar seus planos ou projetos para a pasta de enorme importância para os brasileiros - a da Educação. A afirmação surgiu quando ela percebeu que o ministro estava "sem ideias, sem planos nem metas" na apresentação feita no Congresso.

Tábata era uma total desconhecida até eleger-se deputada federal pelo PDT de São Paulo nas últimas eleições. Ela não chegou lá por acaso: oriunda de uma família pobre, aplicada e destaque na área de exatas, cursou astrofísica e ciências políticas na Universidade de Harvard (EUA). De volta ao Brasil em 2016, fundou o Mapa Educação, que engaja jovens e o movimento Acredito que almeja promover uma renovação política.

 A presença da jovem causa estranheza na Câmara Federal a ponto de ela conviver com indagações como "Você é de que família?"; "É herdeira de empresa?"; "É casada com alguém importante?" São perguntas carregadas de preconceito e insinuações de que somente mulheres de mais idade, ou de famílias "reconhecidas", ou amparadas por um marido têm direito de assumir um papel político!

E é aí que a nova deputada se sobressai: ela estuda e trabalha muito! Foi acusada de ser de direita por políticos de esquerda e de ser de esquerda pelos de direita. Eles não sabem como lidar com alguém que, tão tenra na política, sabe o que está fazendo. Como o Brasil não é para amadores, está na hora de que espaços políticos sejam ocupados por quem estuda para isso; aliando-se a reais interesses no compromisso com a missão pública!

Uma das preocupações de Tábata com a Educação é a existência de movimentos como o Escola Sem Partido; que desvia o foco de problemas reais como o de alunos que não leem, não escrevem nem falam direito e não completam sequer o ensino médio! Reprimir a escola - além de ferir o direito de cátedra; não tornam melhores os níveis de aprendizagem no país.

O ministro que gaguejou diante da jovem deputada ficou sem emprego. E está apenas começando uma carreira política que parece ser promissora a jovem que percebe algo de grave nas políticas públicas: a educação tem um impacto pequeno na agenda nacional! Ou seja, a maioria dos eleitos não vê a educação pública como prioridade! Não precisamos de projetos e posições contaminados por quaisquer ideologias; mas sim comprometimento com o ensino público de qualidade. Salve, Tábata! Bem vinda por trazer luz ao debate; desafiar "dinossauros" e encorajar práticas políticas saudáveis!

"O preço a pagar pela tua não participação na política é seres governado por quem é inferior" Platão - filósofo grego (428-327 A.C.)

"A educação no Brasil jamais será prioridade porque a política brasileira sobrevive da ignorância do Povo" Jair Alberto Martina


Eletivas de Turismo, por que não SC? Anterior

Eletivas de Turismo, por que não SC?

Próximo

Viva os trabalhadores

Deixe seu comentário